Exercícios de Vida

Para Refletir

Home » Para Refletir » A Psicoterapia da Reforma Íntima (Artur Pena)

A Psicoterapia da Reforma Íntima (Artur Pena)

Artur Pena é membro da nossa Equipe.

Veja o currículo do Artur no módulo “Equipe”.

A Reforma Íntima atua sobre as características ainda imperfeitas que nosso Espírito apresenta, que são nossas há muitas encarnações, e que nos diferenciam dos Mestres e dos Seres de luz, e das pessoas encarnadas que estão na nossa frente nessa estrada.

Com a nova Psicoterapia Reencarnacionista, cuja base é a Personalidade Congênita; ou seja, através de Sessões de Regressão seu mentor mostrará quais foram as suas imperfeições passadas. Esse trabalho profundo, de conhecimento de nossas imperfeições (congênitas) e o modo de eliminá-las, pode ser realizado sozinho ou quando não conseguir, com apoio psicológico de um psicoterapeuta reencarnacionista.

Através da compreensão da Personalidade Congênita, que diz que somos como somos porque nascemos assim, quem reencarnou, por exemplo, com baixa autoestima e um sentimento de inferioridade, que características acredita que deve reformar? E quem veio autoritário, agressivo, veio reformar o que em si? E as pessoas que sofrem de mágoa e com tudo se entristecem, necessitam de uma reforma onde? E os materialistas? E os egoístas? E os desonestos? E quem é medroso? E quem é preguiçoso? E quem está perdido e não sabe seu rumo?

Todas as Escolas de Psicologia trabalham em cima da Reforma Íntima, mesmo as herdeiras da noção não-reencarnacionista, mas apenas as que lidam com a Reencarnação sabem que isso já veio com o Espírito (Consciência) ao retornar, e não iniciou na infância, mas sim, desde aí, manifestou-se.

A Reforma Íntima é exatamente o que a Psicoterapia Reencarnacionista deseja que cada pessoa realize, durante essa encarnação, ou nas próximas, se não conseguir nessa.

A Reforma Íntima é nossa meta de trabalho psicoterápico. Mas, para isso, é obrigatório que nos libertemos do comando do nosso Ego, do jugo da persona sobre o Espírito.

Ao relembrarmos o que nos aconteceu desde a infância até hoje, e percebermos a maneira emocional como reagimos a eles, ficaremos impressionados ao verificar como sempre reagimos do mesmo modo aos eventos que nos desagradam. Ou ficamos tristes, ou magoados, ou irritados, ou nos sentimos rejeitados, ou sentimos medo, ou nos sentimos inferiores, ou nos sentimos superiores etc. E aí está o que nosso Espírito veio curar na Terra, a nossa imperfeição, e espera que a “casca” atual seja competente nessa tarefa, pois se traz isso consigo, no mínimo, a “casca” da vida passada foi incompetente para eliminar esse defeito! Mas se as pessoas culpam outros por seus defeitos, suas imperfeições, quando irão curar-se?

Quem está realmente no comando da nossa vida?

Quantas vezes falamos “eu” durante o dia?

Quantas vezes falamos “nós” sem nos referirmos aos nossos próximos?

Todos nós admiramos Gandhi, São Francisco de Assis, Chico Xavier, Tereza de Calcutá, Yogananda, Dalai Lama, o quanto temos nos aproximado de sua sabedoria? Todos nós amamos Jesus, o quanto estamos realmente caminhando em direção ao amor incondicional? O quanto estamos aprendendo da arte do Perdão? Queremos ser perdoados, o quanto perdoamos?  Todos nós amamos a Nossa Senhora, o quanto temos sido bons filhos e filhas?

Todos queremos ser amados, o quanto amamos? Todos nós somos filhos e filhas de Deus, o quanto estamos agradecidos ao Pai pela vida? Mais geralmente nos queixamos, nos queixamos e nos queixamos… E queremos, e queremos e queremos… E agradecemos tão pouco, e damos tão pouco.

A verdadeira evolução espiritual aparece nas nossas atitudes e nos nossos sentimentos. Podemos disfarçar, ocultar, fingir, para todas as pessoas que convivem conosco, mas não podemos enganar a nós mesmos.